sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Tenho medo

Tenho medo que caiam, que se magoem. Tenho medo que cresçam. Tenho medo do que comem, tenho medo quando não comem. Tenho medo nas alturas, nas piscinas, no mar. Tenho medo do que vão ser, dos caminhos que vão escolher. Tenho medo das companhias, tenho medo que se sintam sós. Tenho medo das drogas, do álcool, das noitadas. Tenho medo dos carros, das motas, das parvoíces. Tenho medo do futuro. Tenho medo que não olhem o passado com carinho. Tenho medo das praxes, das doenças, das dietas. Tenho medo de não lhes ensinar a sorrir, a ser inteiros, a ser agradecidos. Tenho medo dos desgostos que vão ter, das mágoas que podem guardar, dos traumas que possam ficar. Tenho medo da poluição, do crime, do cancro, dos pesticidas, dos remédios. Tenho medo das guerras, das pandemias, dos alertas falsos, dos atentados, da insegurança. Tenho medo do mundo daqui a 20 anos. Tenho medo da concorrência desleal, da ausência de valores, do desemprego, dos abusos dos empregadores. Tenho medo que não encontrem a sua vocação. Tenho medo da falta de oportunidade. Tenho medo do azar. Tenho medo que se deixem vender por dinheiro, tenho medo da ambição. Tenho medo da pobreza. Tenho medo que não agarrem a vida, que lhes passe ao lado. Tenho medo que sejam demasiado radicais. Tenho medo que não guardem amigos, tenho medo dos falsos amigos. Tenho medo que não sejam solidários, boas pessoas e que não tenham compaixão. Tenho medo que não tenham fé. Tenho medo que percam a esperança. Tenho medo dos sismos, dos tsunamis, e de tantas catástrofes naturais e tenho, sobretudo, medo se acontecerem quando não estamos juntos. Tenho medo do sol, da camada de ozono. Tenho medo do mercúrio nos peixes, das toxinas na carne, dos químicos nos vegetais. Tenho medo das radiações dos aparelhos eléctricos. Tenho medo do excesso e da falta de informação. Tenho medo da falta de cultura. Tenho medo do sexo descomprometido, tenho medo que se anulem por amor. Tenho medo da falta de amor. Tenho medo que não se entreguem, tenho medo que se deixem ficar por conforto.Tenho medo que não sejam felizes. Tenho medo de ter medo e de lhes passar medo. Tenho medo de lhes faltar, tenho muito mais medo que me faltem. Sou mãe



O texto podia ser meu, porque me revejo em cada frase....mas eu não escrevo assim (maravilhosamente bem).
O texto da Rita, AQUI

4 comentários:

  1. Minha mãe diria:
    - Filha, tenha medo mas que isso não te impeça de ser feliz e de fazer tua filha feliz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, mas não deixo de dar razão à autora!

      Eliminar
  2. O texto está fantástico, sobretudo porque me consegui rever em muitos dos medos referidos!

    ResponderEliminar

Aqui pode comentar o que leu.
Obrigada e Felicidades!